CONCERTOS NOS DIAS DA MÚSICA EM BELÉM 2017

Na edição de 2017 dos Dias da Música em Belém, o DSCH – Schostakovich Ensemble apresentará dois concertos: O CARNAVAL DOS ANIMAIS - com obras de Stravinsky e Saint-Saëns - e LA BONNE CHANSON - interpretando Brahms, Shostakovich e Fauré.
Filipe Pinto-Ribeiro, director artístico do Schostakovich Ensemble,  estará acompanhado por um leque de músicos extraordinários, como o violinista canadiano Corey Cerovsek, considerado um dos maiores violinistas dos últimos 30 anos e que toca o lendário Stradivarius Millanollo que foi tocado pelo próprio Paganini; clarinetista francês Pascal Moraguès, Professor do Conserrvatório Superior de Paris e 1.º Clarinete Solo da Orquestra de Paris; a violetista alemã Isabel Charisius, Professora na Universidade de Lucerna e membro do lendário Quarteto Alban Berg;  a violoncelista holandesa Quirine Viersen, vencedora de inúmeros prémios nos mais importantes concursos; a pianista luso-peruana Rosa Maria Barrantes, doutorada pelo Conservatório Tchaikovsky de Moscovo e Professora na Metropolitana de Lisboa; a violinista britânica Cerys Jones, vencedora do Gramophone Chamber Music Award 2016 como membro do Heath Quartet; o contrabaixista Tiago Pinto-Ribeiro, Professor da Universidade de Aveiro e músico da Orquestra da Casa da Música; o percussionista Abel Cardoso, membro da Orquestra Gulbenkian; a cantora israelita Hagar Sharvit, um dos mezzo-sopranos mais talentosos e promissores no panorama internacional. Destaque ainda para a colaboração do actor Pedro Lamares, que fará a narração dos textos de António Mega Ferreira para O Carnaval dos Animais, e a presença do jovem flautista francês Luc Mangholz, que obteve o 1.º Prémio de Flauta na edição de 2016 do Verão Clássico – Academia Internacional de Música de Lisboa.

Programa dos concertos:

O CARNAVAL DOS ANIMAIS, Sala Luís de Freitas Branco, 30 Abril, 13h00 [+ info]
Igor Stravinsky: A História do Soldado, Suite para violino, clarinete e piano
Camille Saint-Saëns: O Carnaval dos Animais, Grande Fantasia Zoológica
Textos: versão livre em português de António Mega Ferreira, a partir dos textos de Francis Blanche

LA BONNE CHANSON, Sala Luís de Freitas Branco, 30 Abril, 17h00 [+ info]
Johannes Brahms: Duas Canções Op. 91, para mezzo-soprano, viola e piano
Dmitri Schostakovich: Trio N.º 1 Op. 8, “Poema”
Gabriel Fauré: La Bonne Chanson Op. 61, para mezzo-soprano, 2 violinos, viola, violoncelo, contrabaixo e piano, Poemas de Paul Verlaine

DSCH – Schostakovich Ensemble
Filipe Pinto-Ribeiro, Piano e Direção Artística
Corey Cerovsek, Violino
Cerys Jones, Violino
Isabel Charisius, Viola
Quirine Viersen, Violoncelo
Tiago Pinto-Ribeiro, Contrabaixo
Pascal Moraguès, Clarinete
Rosa Maria Barrantes, Piano
Hagar Sharvit, Mezzo-soprano
Abel Cardoso, Percussão
Luc Mangholz, Flauta (1.º Prémio Flauta VERÃO CLÁSSICO 2016)

Narrador: Pedro Lamares

 
Notas ao programas, por Filipe Pinto-Ribeiro:

O CARNAVAL DOS ANIMAIS
O célebre Carnaval dos Animais foi composto por Camille Saint-Saëns na Áustria, em 1886, e dado em primeira audição privada na Terça-feira Gorda desse mesmo ano, em Paris. Trata-se, segundo o próprio compositor, de uma Grande Fantasia Zoológica, que inclui muitos animais, para todos os gostos e feitios, incluindo músicos! Sejam eles pianistas, a quem é dedicada uma das peças, ou  compositores, vários deles parafraseados satiricamente ao longo deste Carnaval. E nem o próprio Saint-Saëns escapa, com uma paráfrase autocrítica na peça Fósseis. A obra foi composta para a esfera privada do compositor, que não consentiu a sua publicação e interpretação em pública enquanto fosse vivo, com a excepção da famosa peça O Cisne. As razões normalmente evocadas apontam para que Saint-Saëns, o maior nome da música francesa da época, tenha pretendido evitar que o conotassem com o carácter leve e humorístico da obra e fugir a juízos equívocos das suas ironias. Mas a maior ironia é que, paradoxalmente, o Carnaval dos Animais veio a tornar-se a sua obra mais famosa. Neste concerto, o Carnaval dos Animais será narrado com a versão portuguesa da autoria de António Mega Ferreira dos célebres textos que o humorista francês Francis Blanche escreveu para esta obra divertida e exuberante. A antecedê-la, teremos uma Suite extraída da famosa História do Soldado, composta por Igor Stravinsky em 1917, com textos do seu amigo Charles Ferdinand Ramuz. O argumento, de inspiração faustiana, está baseado num conto popular russo: narra a história de um soldado que se encontra com o diabo que o convence a trocar o seu violino (que representa a sua alma) por um livro que tem a virtude de prever o futuro...  Stravinsky preparou em 1919 esta Suite, para violino, clarinete e piano, com cinco andamentos emblemáticos da História do Soldado, onde está refletida toda a originalidade e invenção desta obra-prima.

LA BONNE CHANSON
O ciclo de nove canções “La Bonne Chanson” ocupa um lugar cimeiro na obra de Gabriel Fauré e no maravilhoso universo da “mélodie française”. A obra é baseada em poemas do livro homónimo de Paul Verlaine. A maior parte de “La Bonne Chanson” foi composta nos Verões de 1892 e 1893, que Fauré passou em Bougival, como convidado do banqueiro Sigismond Bardac e da sua mulher, a cantora Emma Bardac, por quem Fauré se apaixonou (apesar desta vir a casar mais tarde com Claude Debussy). Fauré escreveu que “La Bonne Chanson” foi a sua composição mais espontânea, com Emma a  cantar-lhe diariamente o novo material musical. Obra de grande arrojo harmónico e profunda expressividade, La Bonne Chanson não foi bem recebida na estreia em Paris pelo público musical conservador: Camille Saint-Saëns disse que Fauré tinha enlouquecido mas, em contraste, Marcel Proust escreveu que adorou. Johannes Brahms escolheu o seu instrumento de arco preferido, a viola, para enriquecer a sonoridade das belíssimas Duas Canções op. 91. A segunda “Canção de embalar sagrada” (segundo o poema “Canción de cuna sacra”, de Lope de Vega), foi composta por ocasião do baptismo do seu afilhado, filho do grande violinista Joseph Joachim e da igualmente célebre cantora Amalie Joachim, em 1864. A primeira canção, “Saudade saceada”, nasceu provavelmente só vinte anos mais tarde, no período mais tardio de criação do grande compositor alemão. Em oposição, Schostakovich compôs o Trio Opus 8 N.º 1, para piano, violino e violoncelo, que intitulou de “Poema”, com apenas 16 anos, enquanto aluno Conservatório de São Petersburgo. A génese desta obra está relacionada com circunstâncias pessoais: o Trio é dedicado a Tatiana Glivenko, que Schostakovich conheceu na Crimeia no Verão de 1923 e com quem teve a sua primeira e intensa relação amorosa, que durou até 1929. Este Trio “Poema”, um poema sem palavras, impressiona pela qualidade de composição e pela grande expressividade e lirismo do ainda muito jovem compositor russo.

 


EM DESTAQUE

RECITAIS DE PIANO EM PORTUGAL E EUA
Filipe Pinto-Ribeiro apresentará quatro recitais de piano em Portugal e EUA, com obras de Bach, Mozart, Beethoven e Mussorgsky. No dia 24 de Setembro, o recital terá lugar no Convento do Espinheiro, em Évora. Em Los Angeles, os recitais serão nos dias 6, 8 e 9 de Outubro, inseridos em várias temporadas musicais. [...]
[ler mais]

FILIPE PINTO-RIBEIRO SOLISTA COM ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOA
Em Novembro, Filipe Pinto-Ribeiro interpretará o Concerto para Piano e Orquestra N.º 3 Op. 37 de Ludwig van Beethoven, em dois concertos com a Orquestra Metropolitana de Lisboa e o maestro Pedro Neves. O primeiro concerto terá lugar no Teatro Thalia, no dia 11 de Novembro, pelas 21 horas. No dia 12 de Novembro, o concerto será realizado no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures, às 18 horas. [...]
[ler mais]

SCHOSTAKOVICH ENSEMBLE EM HAMBURGO E LISBOA
Em Novembro, o DSCH – Schostakovich Ensemble apresentará dois concertos em torno da fascinante temática do Tempo e suas múltiplas dimensões enquanto matéria de arte: no dia 21 de Novembro, na Laeizhalle da Filarmonia de Hamburgo e, no dia 26 de Novembro, no Centro Cultural de Belém. Serão interpretadas obras de Olivier Messiaen, Ludwig van Beethoven, Celso Garrido-Lecca e de Paul Dean, que será também o clarinetista deste concerto. Para além de Dean, o DSCH contará ainda com a presença do seu fundador e director artístico, o pianista Filipe Pinto-Ribeiro, da violoncelista australiana Trish O’Brien e do violinista britânico Jack Liebeck. [...]
[ler mais]

CONCERTOS DO FESTIVAL VERÃO CLÁSSICO 2017
O Festival VERÃO CLÁSSICO 2017 apresentou concertos diários, entre 1 e 10 de Agosto de 2017, no Centro Cultural de Belém, incluindo grandes obras do repertório musical dos séculos XVIII ao XXI: quatro concertos MasterFest, com a participação de grandes músicos, referências internacionais dos seus instrumentos, assim como seis concertos TalentFest. [...]
[ler mais]

VERÃO CLÁSSICO 2017: FESTIVAL E MASTERCLASSES
Com direção artística e pedagógica de Filipe Pinto-Ribeiro, a terceira edição do VERÃO CLÁSSICO - Academia Internacional de Música de Lisboa decorreu entre 1 e 10 de agosto de 2017 no Centro Cultural de Belém. Incluiu concertos diários e Masterclasses com a participação de músicos e professores oriundos de algumas das mais prestigiadas instituições internacionais de ensino e/ou solistas das melhores orquestras mundiais. [...]
[ler mais]

CONCERTOS NOS DIAS DA MÚSICA EM BELÉM 2017
Nos Dias da Música em Belém, o DSCH – Schostakovich Ensemble apresentará dois concertos: O CARNAVAL DOS ANIMAIS - com obras de Stravinsky e Saint-Saëns - e LA BONNE CHANSON - interpretando Brahms, Shostakovich e Fauré. Filipe Pinto-Ribeiro, director artístico do Schostakovich Ensemble, estará acompanhado por um leque de músicos de proa do panorama internacional, como o clarinetista Pascal Moraguès, os violinistas Corey Cerovsek e Cerys Jones, a violetista Isabel Charisius, a violoncelista Quirine Viersen, a meio-soprano Hagar Sharvit, entre outros. Destaque ainda para a colaboração do actor Pedro Lamares, que fará a narração dos textos de António Mega Ferreira para O Carnaval dos Animais. [...]
[ler mais]

INTEGRAL DOS TRIOS DE SCHUBERT PELO DSCH - SCHOSTAKOVICH ENSEMBLE
A integral dos Trios de Franz Schubert foi apresentada pela primeira vez em Lisboa, pelo DSCH – Schostakovich Ensemble, em dois concertos, nos dias 11 e 12 de Março de 2017, no Centro Cultural de Belém. Para esta “viagem” pela música de Schubert, Filipe Pinto-Ribeiro, fundador e director artístico do Ensemble, convocou um leque de músicos aclamados internacionalmente, com destaque para a estreia no CCB da violinista suíça Esther Hoppe e os ansiados regressos da violetista Isabel Charisius e do violoncelista Christian Poltéra. [...]
[ler mais]

CD PIANO SEASONS DE FILIPE PINTO-RIBEIRO
O duplo CD de Filipe Pinto-Ribeiro, PIANO SEASONS, tem recebido as mais elogiosas críticas da imprensa nacional e internacional. [...]
[ler mais]

INTEGRAL DA MÚSICA DE CÂMARA COM PIANO DE DMITRI SCHOSTAKOVICH PELO DSCH - SCHOSTAKOVICH ENSEMBLE
O DSCH – Schostakovich Ensemble celebrou o 110.º aniversário do nascimento de Dmitri Schostakovich (São Petersburgo, 25.09.1906) com a integral da música de câmara para piano e cordas do grande compositor russo, em dois concertos que marcaram também o 10.º aniversário do DSCH – Schostakovich Ensemble, a 23 e 25 de Setembro no Centro Cultural de Belém, com a presença de Filipe Pinto-Ribeiro, Corey Cerovsek, Cerys Jones, Isabel Charisius e Adrian Brendel. [...]
[ler mais]